BYU Loosens Policies for Non-Mormon Students

Por Jaren Wilkey , via Wikimedia Commons

Brigham Young University ajustou suas políticas para estudantes que deixam a Igreja SUD durante seus estudos.

>

Brigham Young University (BYU) afrouxou seu código de honra para facilitar a permanência dos estudantes que fazem petições no campus após deixarem A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Os alunos não precisam ser mórmons para freqüentar a BYU, mas se entrarem na escola como santos dos últimos dias, devem permanecer devotos e obter endossos de seus líderes de fé a cada ano, relata The Salt Lake Tribune.

BYU, que pertence à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUD), deve agora obter a permissão dos estudantes para falar com os líderes da igreja sobre suas circunstâncias de fé individuais.

Outras vezes, os estudantes não precisam mais provar “circunstâncias incomuns” quando solicitam o endosso dos líderes de sua fé. Agora eles só precisam dar ao reitor uma razão “convincente” de que eles merecem uma exceção. Isto pareceria ser um obstáculo menor para o hop.

O porta-voz da BYU Carri Jenkins explicou o Provo, o raciocínio da universidade de Utah. “Fizemos este ajuste porque achamos que era justo”.

Ela continuou, observando que estas são pequenas mudanças num processo que existe há muito tempo, e que era mais uma política de tolerância zero para aqueles que abandonam a fé. “O que estamos dizendo é que os estudantes podem submeter uma petição que será tratada caso a caso”

Uma outra mudança, datada de março de 2015, permite que ex-mórmons ou outros sem os endossos de fé previamente requeridos possam se candidatar a frequentar a BYU através de uma aplicação similar.

BYU relaxa a política para estudantes que peticionam para ficar, mas não querem a igreja 2go2. Yay!!! Permite a todos 2be real. https://t.co/fQdwquPOrX

– Josh James (@joshjames) 19 de agosto de 2016

A diferença entre estudantes mórmons e não-mórmons na universidade vai além do compromisso de fé. Os estudantes não mórmons pagam duas vezes mais propinas do que um estudante mórmon ($10.600 contra $5.300 durante o último ano letivo) pela mensalidade.

Estas mudanças vêm na sequência de uma queixa formal apresentada pela FreeBYU à American Bar Association. FreeBYU é um grupo de ex-alunos que pedem à BYU para permitir que os alunos que deixam a fé mórmon permaneçam na escola se eles pagarem a taxa que outros alunos não mórmons pagam. A queixa declarou que a BYU viola a lei federal de não-discriminação e ameaça a liberdade intelectual ao expulsar estudantes que quebram o Código de Honra ao deixar a igreja ou ao viver em relacionamentos com pessoas do mesmo sexo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.