Casamento Plural na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

A partir de 1862, o governo dos Estados Unidos aprovou leis contra a prática do casamento plural. Após a Suprema Corte dos EUA ter considerado as leis antipoligamia como constitucionais em 1879, as autoridades federais começaram a processar maridos e esposas polígamos durante a década de 1880. Acreditando que essas leis fossem injustas, os santos dos últimos dias se envolveram em desobediência civil, continuando a praticar o casamento plural e tentando evitar a prisão, mudando-se para a casa de amigos ou familiares ou escondendo-se sob nomes falsos. Quando condenados, pagaram multas e se submeteram à prisão.

Uma das leis antipoligamia permitiu que o governo dos Estados Unidos apreendesse propriedades da Igreja. Os oficiais federais logo ameaçaram tomar os templos santos dos últimos dias. O trabalho de salvação tanto para os vivos como para os mortos estava agora em perigo. Em setembro de 1890, o Presidente da Igreja, Wilford Woodruff, sentiu-se inspirado a emitir o Manifesto. “Na medida em que foram promulgadas leis pelo Congresso proibindo casamentos plurais”, o Presidente Woodruff explicou: “Declaro por este meio minha intenção de me submeter a essas leis e de usar minha influência junto aos membros da Igreja a quem presido para que façam o mesmo”.8

As implicações completas do documento não eram aparentes no início. O caminho do Senhor é falar “linha após linha; aqui um pouco, ali um pouco “9 . Como o início do casamento plural na Igreja, o fim da prática foi gradual e incremental, um processo cheio de dificuldades e incertezas.

O Manifesto declarou a intenção do Presidente Woodruff de submeter-se às leis dos Estados Unidos, e novos casamentos plurais dentro dessa jurisdição chegaram em grande parte ao fim. Mas um pequeno número de casamentos plurais continuou a ser realizado no México e no Canadá, sob a sanção de alguns líderes da Igreja. Como regra, esses casamentos não eram promovidos pelos líderes da Igreja e eram difíceis de serem aprovados. Um ou ambos os cônjuges que entraram para esses casamentos tipicamente tinham de concordar em permanecer no Canadá ou no México. Em uma base excepcional, um número menor de casamentos plurais foi realizado dentro dos Estados Unidos entre os anos de 1890 e 1904.

O papel da Igreja nesses casamentos tornou-se um tema de intenso debate público depois que Reed Smoot, um Apóstolo, foi eleito para o Senado dos Estados Unidos em 1903. Na conferência geral de abril de 1904, o Presidente da Igreja Joseph F. Smith emitiu uma declaração vigorosa, conhecida como Segundo Manifesto, tornando os novos casamentos plurais puníveis com excomunhão.10 Desde os dias do Presidente Smith, os Presidentes da Igreja têm enfatizado repetidamente que a Igreja e seus membros não estão mais autorizados a entrar no casamento plural e sublinharam a sinceridade de suas palavras, exortando os líderes locais a trazerem membros que não cumpram suas obrigações perante os conselhos disciplinares da Igreja.

Se quiser saber mais sobre o fim do casamento plural na Igreja, clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.